É birra? Entenda o que significa o choro infantil

É birra? Entenda o que significa o choro infantil

Quando as crianças sofrem, por algum motivo que, para nós, pode parecer incompreensível e totalmente exagerado, elas vão a fundo. Sabe a “sofrência”? Elas vivem isso. Entenda o que significa o que significa o choro infantil.

Choro Infantil

Choram até secar as lágrimas. Às vezes, até dormem logo em seguida porque ficam cansadas de tanto chorar – ou porque o real motivo do choro era o sono desde o princípio, mas aí é outra história. Apesar de tudo, depois da tempestade, elas simplesmente esquecem. Já entenderam aquilo, já passou, a situação foi digerida, pronto e acabou.

Já nós, adultos, é que temos a mania de ficar pensando em uma situação ruim que aconteceu no passado, de ruminar, de digerir, de rebobinar as cenas milhares de vezes em pensamento, aparentemente só para sofrer mais.

Quando as crianças choram, a dor já aconteceu. Chorar não é a dor, mas o processo de perceber que está ilesa. São as lágrimas que aliviam as decepções que fazem parte da vida.

Nossas lágrimas estão cheias de proteínas tóxicas que estão sendo derramadas pelo corpo com o propósito de trazer o sistema emocional de volta ao equilíbrio. Esses estados também são acompanhados por uma liberação de ocitocina, a substância química de fixação que amortece o estresse biológico químico do cortisol. Quando as crianças choram e recebem consolo das figuras de apego, é o envolvimento delas que aumenta os níveis de ocitocina e diminui os relacionados ao estresse.

Os pais devem entender que o choro é uma válvula de escape para a criança. É o meio de expressar o que está sentindo, e reprimir isso é como vedar uma panela de pressão, uma hora vai explodir e todo mundo pode sofrer as consequências.

Crianças que reprimem seus sentimentos, podem se tornar adultos inseguros e incapazes de lidar com os próprios sentimentos.

Essas crianças crescem acumulando muito lixo emocional porque não se deram o direito de demonstrar o que sentiam, nem mesmo derramar uma lágrima, na verdade elas engoliram tanto choro que sua alma acaba morrendo por afogamento.


Veja também: Quando procurar terapia para meu filho – Veja 09 motivações


Como lidar?

A maneira mais correta de reagir ao choro de uma criança é “escutar” o choro dela, só escutar, ficar do lado, junto, apoiando, deixando ela sentir aquele momento, sem tentar consolá-la com um doce ou brinquedo para desviar sua atenção.

Conforme a criança for crescendo e tendo discernimento dos seus atos e sentimentos, é importante ensinar a ela a diferença do que é tristeza, alegria, raiva, medo para que ela possa expressar suas emoções também com palavras.

Uma dica boa para lidar com uma criança que está chorando é demonstrar empatia, descrevendo seus sentimentos.

Formas alternativas

1. Mude a forma como olha para o comportamento do bebê.

Colocar-se no lugar da criança poderá auxiliá-lo a entender as causas do choro, permitindo que consiga tomar medidas preventivas mais eficazes. Pense com a cabeça dele de criança e não com a sua de adulto.

2. É importante que o pequeno descanse bastante

O cansaço pode contribuir para o aparecimento de diversos comportamentos indesejados, como chorar em excesso. Tente fazer com que ele durma pelo tempo adequado todas as noites, e deite-o mais cedo se perceber que há irritação ou choro durante o dia. Em crianças que estão na faixa de idade da pré-escola ou antes, um cochilo à tarde é ótimo; caso ela já esteja no ensino fundamental, deixe-a descansar e relaxar ao voltar da escola.A quantidade de repouso que cada uma precisa varia bastante, mas no geral, bebês de um a três anos precisam de 12 a 14 horas de sono por dia (incluindo cochilos). Crianças de três a seis anos devem dormir de 10 a 12 horas diária. Jovens de sete a dez anos, de 10 a 11 horas

3. Controle a fome da criança.

Quando estão com fome, bebês se sentem desconfortáveis e irritadiços, levando ao surgimento de comportamentos indesejados, como o choro. Muitos precisam de lanches nutritivos entre as refeições, portanto, não ache que vão ficar do almoço ao jantar sem fome. Para melhores resultados, ofereça uma combinação de proteínas, grãos integrais e frutos, como bolachas integrais com manteiga de amendoim e uma banana, por exemplo.

Fontes: Audrey Faria /Revista Crescer / Mãe Tips / Marcia Tosin/PT Wiki How

Envie seu comentário